O controlo da qualidade da água para consumo humano pode definir-se como o conjunto sistemático de ações de avaliação da qualidade da água realizadas com caráter regular pela entidade gestora do sistema de abastecimento, com vista à manutenção permanente da sua qualidade em conformidade com as normas estabelecidas legalmente.

Neste âmbito, o Decreto-Lei nº306/2007, de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano, tendo por objetivo proteger a saúde humana dos efeitos nocivos resultantes da eventual contaminação dessa água e assegurar a disponibilização tendencialmente universal de água salubre, limpa e desejavelmente equilibrada na sua composição.

Assim, com base na legislação em vigor e recomendações da entidade reguladora, é elaborado o Programa de Controlo da Qualidade da Água (PCQA) da Esposende Ambiente, tendo em vista o contínuo controlo da qualidade da água que será abastecida a toda a população do concelho de Esposende.


Pontos de amostragem

A monitorização da qualidade da água é realizada semanalmente, recolhendo amostras de água na torneira dos consumidores distribuídos ao longo da rede de distribuição de água, para caracterização analítica em laboratório externo, de acordo com o Programa de Controlo da Qualidade da Água.


No ano 2016 foram monitorizados 108 pontos de amostragem, distribuídos pelas freguesias do concelho, de acordo com a população abastecida e cujos resultados demonstraram 100% de conformidade legal.

Em 2017 serão, também, monitorizados 108 pontos de amostragem distribuídos pelas 9 freguesias do concelho

Consultar -» Pontos de Amostragem


 Parâmetros a analisar

O Decreto-Lei nº306/07, de 27 de Agosto, define dois tipos de controlo: o controlo de rotina e o controlo de inspeção.

O controlo de rotina tem como objetivo fornecer regularmente informações sobre a qualidade organolética e microbiológica da água destinada ao consumo humano, bem como sobre a eficácia dos tratamentos existentes (especialmente a desinfeção), tendo em vista determinar a sua conformidade com os valores paramétricos estabelecidos no referido diploma. 

O controlo de inspeção pretende obter as informações necessárias para verificar o cumprimento dos valores paramétricos do mesmo diploma legal.

Quanto aos parâmetros conservativos, as entidades gestoras que distribuem água adquirida exclusivamente a outra entidade gestora, como é o caso da Esposende Ambiente, que adquire água exclusivamente à Águas do Norte, estão dispensadas do controlo dos parâmetros conservativos nas zonas de abastecimento onde ocorra essa aquisição.

Para além disso, a Esposende Ambiente está ainda legalmente dispensada de analisar os parâmetros COT, Cloreto de Vinilo e Epicloridrina.

Como o agente floculante utilizado no tratamento não é composto por Ferro, nem o processo de desinfeção inclui a cloraminação, os parâmetros Ferro e Nitrito fazem parte do controlo de inspeção.

Em relação aos parâmetros radiológicos, e dando cumprimento às orientações da ERSAR e ao disposto no Decreto-Lei nº 23/2016, de 3 de Junho, a Esposende Ambiente inclui no seu PCQA o controlo do parâmetro radão, fazendo parte do controlo de inspeção.

Consultar -» Parâmetros a analisar


Resultados analíticos

Consultar -» Resultados analíticos


Controlo Operacional

Além do controlo analítico realizado no âmbito do Programa de Controlo de Qualidade da Água, a Esposende Ambiente implementa, diariamente, um Programa de Controlo Operacional, que inclui o controlo da concentração de cloro residual livre e variação das pressões ao longo de toda a rede de distribuição de água, a monitorização da qualidade da água nos pontos de entrega de água da entidade gestora “em alta, Águas do Norte, a monitorização da qualidade da água da rede de distribuição em pontos considerados críticos (por se tratarem de fins de rede ou zonas de baixos consumos), procedimentos de avaliação, deteção e resolução de perdas de água, procedimentos de manutenção e inspeção da rede.


Plano de segurança da água

Seguindo uma nova abordagem de gestão da qualidade da água para consumo humano, sustentada numa avaliação de riscos e sua gestão, a Esposende Ambiente implementa um Plano de Segurança da Água no sistema de abastecimento de água, desde o ponto de entrega de água, pela entidade gestora “em alta”, até à torneira do consumidor. Este plano integra não só os perigos que podem afetar a qualidade da água, mas também os que podem afetar a quantidade de água fornecida, de forma a garantir a confiança e satisfação dos utilizadores finais.

Assim, as medidas de controlo estabelecidas para a distribuição de água tem por base eventos considerados perigosos para a rede de distribuição de água do concelho de Esposende. Os procedimentos de monitorização incluídos no controlo operacional integram o Plano de Segurança da Água, como procedimentos de verificação da eficácia das medidas de mitigação e controlo de riscos.